Curtas autónomas

O poema é  um signo autónomo, para usar a proposta de Mukarovsky para a arte em geral. Quando é bom, engloba tudo, não tem referente específico, tanto faz ter sido escrito  há vinte séculos como ontem.
Um autónomo-simples  de Nemésio:
Quem não tem casa sua
Faça da noite pedra
Ou talhe o seu coração
Que já não dorme na rua.
E um super-signo de Ungaretti, o poema mais  curto do mundo:
M'illumino d'immenso.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A paz de Tyrnau

PSD ( 9)

PSD ( 7)