Dia de lirismo

Há uns anos tive   a sorte  de  conseguir  a poesia completa de João Lúcio ( edição da INCM, claro), o único  que Pascoaes considerava  à sua altura. Já o trouxe aos blogues um par de vezes, porque fico sempre rendido.  No  meio do enjoativo  êxtase lírico, encontro coisas que só podem ser desenhadas nesse registo:

Como a floresta, meu amor, eu tento,
Atirar meu canto pra a altura:
Para a fazer cantar, toca-lhe o vento,
Pra me fazer cantar , no pensamento,
Passa o sopro da tua formosura.


( Na Asa do Sonho, 1913)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A paz de Tyrnau

PSD ( 9)

PSD ( 7)