D. Francisco

Vi eu um dia a morte andar folgando
por um campo de vivos  que  a não viam:
os velhos, sem saber o que faziam,
a cada passo nela ia topando.
na mocidade os moços confiando,
ignorantes da morte , a não temiam.
Todos cegos, nenhuns se lhe desviam;
ela a todos co dedo os vai contando.


 D. Francisco Manuel  de Melo, se fôssemos  ingleses ou franceses seria uma figura popular. Em filmes, livros, currículos escolares. Larger than life, preso pelos Filipes, preso pelos restauradores ( Sade também foi preso por dois regimes), exilado em Londres  e Paris, degredado para África. Depois, um estilo fínissino, variado, entre a poesia, a prosa, a memorabilia, a História etc.

O pedaço  acima transcrito é a abertura  de Apólogo da Morte ( in As segundas três musas). É  a morte que ele vai encontrando e, quando a morte  finalmente lhe dispara e erra, desafia-a. A morte responde-lhe:

Tal vai de guerra!
Se vós todos  andais comigo cegos,
que esperais que convosco ande advertida?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A paz de Tyrnau

PSD ( 9)

PSD ( 7)