Rita Venância

Não suportava que as pessoas a acusassem de mentir. Como costumava dizer, a verdade era a sua meia-irmã, a honestidade a sua madrinha. Se duvidavam dela, alanzoava com os olhos em alvo que não admitia a ninguém semelhante pilhéria.
Rita Venância  sofria pela virtude. Uma vida de maladias várias. Intestinos preguiçosos, algias avulsas  nos bracinhos delicados, momentos de torpor  que a fluoxetina não combatia devidamente. A mentira e  a desonestidade do mundo eram as responsáveis pelo padecimento.
Os amores também não corriam nada afeiçoados. Um enganou-a durante anos com uma antiga namorada, outro prometeu-lhe  o altar e o mundo mas só lhe deixou um calote  entrudado;  e assim por  e tal  a coisa.
Rita Venância não esmoreceu.  Confidenciou à melhor amiga que veio ao mundo para o deixar melhor do que o conheceu. Só não tem sorte porque é muito verdadeira.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A paz de Tyrnau

PSD ( 9)

PSD ( 7)