Tempos

No dia em que mataram o rei,  Raul Brandão estava na livraria Ferreira à conversa com o Fialho de Almeida. Foram com o maralhal e conta Brandão que o infante D.Afonso terá seguido desvairado atrás do carro , de revólver em punho, dizendo: "O mano nunca quis ouvir os conselhos da mãe".

Isto  tinha a ver com João Franco ( terá sido sovado pelo  infante), mas o lamento do príncipe condensa bem um traço da monarquia: o sangue na política. Hoje é ( mais)  o dinheiro .

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A paz de Tyrnau

Talvez

Sinais (12)