A Convenção de Moss

Renata Soraia saiu do face e pousou o telemóvel. Como era possível? Estaria tudo  louco? A Bruna Carla tinha  feito três likes na foto do seu namorado. Do seu... do dela, Renata. Três likes? Um like ainda vá, e já era muito,  aquela lambisgóia não tinha vergonha na cara. Agora: três? Aquilo exigia medidas  de fundo.
Começou a sentir a cabeça à roda  e difuldade em respirar. As mãos pareciam enguias. Foi ao quarto dos pais  e tirou da gaveta da mesinha de cabeceira  da mãe um diazepam. Ia  fechar  a gaveta quando viu, debaixo de um par de lenços, um coisa preta e mole, parecia um cinto. Pegou na coisa e horrorizada  percebeu que era um dildo. Estupidificou. Para que  raio queria a mãe um dildo? Voltou para o telemóvel e pesquisou dildos em casais hetero.  Não chegou a nenhuma conclusão aceitável, mas não desistiu. Lembrou-se de pensar.
O pai tinha quarenta  e dois anos. A mãe  se quisesse  , enfim, divertir-se sozinha, não seria com um dildo. Renata era  consciente da existência de vibradores. Tudo aquilo era desagradável. Um dildo só podia  significar uma coisa e não era boa. Nada boa. Então o pai, que passava  a vida a gozar com  os maricas e com  os impotentes e assim... O seu mundo desabava. O seu papá sofria de disfunção eréctil? Tão novo? Coitadinho.
Mais tarde desabafou no face em conversa privada com a  Ruménia Margarida. Só não entendia por que motivo o coiso estava na gaveta da mesinha de cabeceira da mãe.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tatoo you

PSD ( 9)

PSD ( 7)