Terapia ( 7)


Said continuou admirador de Sartre  (tenho pena que não tenha conhecido Camus, isso é que teria sido um belo debate sobre a a Argélia e  a FLN), mas o osso aqui é outro.
Fantasiamos sobre gente que não conhecemos  ou que já não vemos há muito tempo. No outro dia reencontrei no gabinete uma mulher que ajudei a há coisa de doze anos. Fiquei desconfortável porque guardei uma imagem que já não correspondia à realidade.  Não foi só o envelhecimento físico ( isso também passou por mim), foi a perda da graça. Estava desiludida com a vida, com a idade, perdeu  o humor  de alfinete.
À noite, em casa, registando as notas da consulta  ( mentalmente, porque não escrevo nada) tive de aceitar a minha ignorância insistente.  O tempo não se limita a passar por nós: devora-nos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tatoo you

A paz de Tyrnau

PSD ( 9)