O tempo irreparável ( 5)

O sentido de tempo, ou, melhor, de duração, é adquirido quando somos bebés. Constrói-se através do intervalo entre o desejo e a satisfação. É por isso que, a certa altura, o bebé no quarto, ouvindo a mãe na sala a dizer  que já vai, suporta a fralda molhada ou a fome. Isto é consensual , desde os primeiros investigadores  ( Fraisse) da coisa até alguns psicanalistas ( Tustin,  Pollock etc).
Dito de outro modo, ganhamos o   sentido de tempo  aprendendo a controlar a frustração.

Para o curioso destas coisas, isto coloca um problema: o que usamos quando sentimos que algo ( por ex, uma relação antiga )  está a acabar? Não desejamos necessariamente  que acabe, mas sentimos  que está a acabar. Ficamos  então frustrados porque a coisa não acaba de vez? Se sim, que mecanismo usamos? 

Talvez isto explique a paralisia emocional em algumas pessoas. Reagimos emocionalmente ao fim da relação ( tristeza, melancolia), mas também aguardamos , mais ou menos tranquilamente, que a coisa termine de vez porque é esse o nosso desejo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A paz de Tyrnau

PSD ( 9)

PSD ( 7)