Sinais ( 9)

No outro dia,  um tablóide chamava  à capa : os novos detectives electrónicos das infidelidades - você também pode ser um.  
Podemos ir com Barthes - o fait divers é uma arte das massas - ou suspeitar de coisa mais concreta.

Se formos com Barthes, esta nova profissão é, afinal, velha O fait divers tem como função preservar a ambiguidade do racional e do irracional, do insondável e do inteligível. A infidelidade  electrónica é ela própria ambígua - o reencontro  exaustivo com um  antigo colega no facebook . O faça você mesmo, por seu lado, não é para todos: muitos de nós nunca chegámos  a usar o espectacular  beberbequim  a laser e lá repousa ele no seu estojo brilhante.

Já se suspeitarmos de uma sugestão concreta, a coisa muda de figura. Começa pelo enunciado: a mesma tecnologia que  provoca a infedilidade pode descobri-la se você for eficiente. Isto leva-nos a uma conclusão surpreendente: dedique o tempo da sua relação  a provar que ela não funciona.
O concreto da coisa é a especialização - investigar, provar, acusar. Ou seja, você pode ser cornudo, mas um cornudo informado. Lá se vai a teoria de que a informação é  poder...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A paz de Tyrnau

PSD ( 9)

PSD ( 7)